Sexta Meia Noite

Sextacast 152 – Quando eu era Vivo

5/5 (1)

“Se a lenda dessa paixão, faz sorrir ou faz chorar…” Opssss!

No ar mais um Sextacast e dessa vez bem brasileiro!
Marlon Master e Dayana Sartorio juntaram-se para falar de nada mais nada menos de: “Quando eu Era Vivo”, filme esse estrelado por Sandy Leah e Antonio Fagundes!
Se gostamos do filme? Hummm…vocês terão que ouvir para descobrir! Aproveita e deixe aí a sua impressão sobre o filme também!

Prepare-se para mistério, cabeças de gesso, fitas VHS, uma trilha fantástica, Sandy cantando (óbvio) e o grande e querido Rei do Gado!

E cuidado, a música vai te viciar:

“…Eu sou a serpente da noite
Teu corpo é meu abrigo
Meu olho cego te entrego
E levo a cabeça comigo”

TRAILER

 

Mande E-mail com SUGESTÕES, CRITICAS E PUXÃO NO PÉsextacast@sextameianoite.com

E não se esqueça de CURTIR a página do Sexta Meia-Noite no Facebook:

Sextacast no Facebook

Baixe o programa clicando em “Download”, logo abaixo, com o botão direito de seu mouse e escolhendo “salvar link como”.

Avalie!

Ser da Meia-Noite

  • Julio Assano Junior

    Primeira vez que ouvi o Cast. Gostei. Mas vale a pena lembrar que o roteiro é baseado na obra “A Arte de Produzir Efeito sem Causa” do Lourenço Mutarelli, um mestre, tanto como ator, escritor ou quadrinista.
    Vale a pena dar uma pesquisada sobre o livro e o autor.
    Um abraço

    • Julio Assano Junior

      No afã de contribuir eu não esperei o final do cast. Você comenta sobre o livro depois. Foi mal! De qualquer forma é interessante ir para o livro também. O Lourenço escreve muito! Abraço!

      • Hehehehe! Normal, muita empolgação, não?!

        Obrigada pelo teu comentário!
        Grande abraço!

  • Entusiasta Brasileiro

    A Dayana disse que filmes ruins também poderiam ser mencionados nos comentários, então: Isolados.

  • Entusiasta Brasileiro

    Vocês disseram que é difícil fazer filme brasileiro que não seja comédia, ou que não tenha a marca Globo, mas não creio que seja. Há filmes brasileiros dos mais diversos gêneros, o problema é a distribuição, a comercialização, a venda desses filmes. Aliás, o gênero mais comum que vejo no cinema brasileiro é o drama, não a comédia. A comédia tem mais salas de cinema, mas o drama tem mais longas.

    • Olá Entusiasta Brasileiro!

      Puxa! Grande verdade! Tudo está na distribuição e reconhecimento desses filmes!

      Não vi Isolados. Muito ruim?

  • Entusiasta Brasileiro

    Espero que, em breve, saia o episódio sobre Trabalhar Cansa!

    • Entusiasta Brasileiro

      Nesse estilo, também há Os Inquilinos.

  • Paula

    Olá amigos do sexta meia noite. Primeiramente fiquei muito feliz com volta dos três ao pod cast. O filme eu não conhecia. Só depois do cast, que fiquei curiosa fui assistir. Achei que todos trabalharam bem. Até a Sandy . Gostei da música que ela canta. Uma canção de ninar sombrinha rsrsrs. O filme me lembrou babadook . Pois aqui é o pai e o filho que tem que aceita o passado para poder ter um futuro. Enquanto em babadook a mãe não aceita morte do marido, achando que aculpa e até do filho, quando era vivo o pai ja quer esquecer e filho que não aceita, trazendo de volta o passado, por meio de objetos e músicas. Mais ambos os filmes tanto o pai quanto a mãe só conseguem aproximar dos filhos. Quando deixam o medo do passado de lado aceitam seus fantasmas. Deixando eles ali presos em um solton ou engessado em uma cabeça de gesso. Loucura ….l? Não sei. Mas não esqueçam eu sou a serpente da noite, teu corpo e o meu abrigo….

    • Olá, Paula!

      Hummmm! Verdade, hein!? Ultimamente estamos gravando sobre muitos filmes que lembram Babadook! Sinistro isso! Hehe!

      Obrigada pelo teu comentário e apareça, viu?

      Obs.: Essa musiquinha causa arrepios!

  • Priscila

    Fantasma do Skype = Unfriended

    Aw como sou tonta, esse foi o filme que o “grande público” assaltou de preconceito por conta da Sandy atuando, lembrei!

    Na época lembro de ter agitado meu marido pra assistir, mas não sei porque não fomos… Mais um para a lista.

    Adorei o início do programa com análise do cenário nacional, muito bom ouvir a opinião de vocês sobre o tema (concordo com 70% porque sou chata, velha e bruxa, mas isso não vem ao caso), terei de assistir o filme após ouvir vocês, infelizmente.

    Não tenho muito o que opinar, terei de ler o livro E ver o filme, pelo menos estou curiosa após ouvir o episódio!

    Parabéns pelo programa (eu sou saudosista e sempre vou sentir falta de quem não esta, então… EVANDRO, CADÊ TU?), mal posso esperar para o próximo episódio!

    ps. não sei quanto aos outros ouvintes/leitores, mas confesso que prefiro quando vocês fazem análises completas dos temas abordados, sem se preocupar com “spoilers”… quando vocês ficam se podando em avançar com informações por conta disso, torna a discussão menos rica do que quando vocês comentam despreocupados em revelar pontos da história. Sinto que quando vocês falam de filmes mais antigos a conversa segue mais fluída e a discussão é mais complexa. Fica minha sugestão.

    ps. sorry pelo post duplo.

    • Oi Pri! Saudades de você!

      Que bom que gostou da nossa conversa, não só da discussão do filme, como também do apontamento sobre a cinematografia brasileira.

      E sabe? Concordo com você sobre “spoiler”! Verdade! Ficamos mais a vontade quando não há a preocupação com esse menino levado! De fato, filmes antigos nos dão mais liberdade. Porém, como a ideia do Sextacast não é só falar de clássicos, mas também apontar filmes pouco conhecidos e/ou inovadores…ficamos limitados mesmo! Hehehe! Perdão!

      Assista o filme, Pri! Ler o livro será excelente também!

      Muitos beijos e até!

    • Evandro13Sal

      Olá Pricila, tudo bem?
      Estou sempre por aqui… desculpe minha demora em responder, mas não tenho entrado com frequencia na página e o e-mail que recebo as resposta do site, praticamente eu não entro nele, tenho que rever isso…
      Olha obrigado pelo carinho… espero que em breve eu esteja de volta… um abraço e até em breve.

  • Priscila

    Aim, perdi dois episódios, represento muito mal a fanbase de vocês viu…

    Confesso que meu conhecimento sobre terror/horror nacional é limitado aos anos 80 e começo dos anos 2000, então assuntos relacionados sempre serão novidade.

    Vou ouvir o episódio anterior antes de comentar a respeito deste, mas quero que saibam que não os abandonei rs

    E já sei que se trata de um ótimo episódio, como sempre, apenas farei apontamentos mais pertinentes depois de ouvir.

  • San Ramon

    Muito bom filme. Também achei que ele ficou no meio do caminho entre o psicológico e o sobrenatural de um modo ruim – dá pra ficar bom, “A Bruxa” e “A volta do parafuso” atestam. Mas toda a parte de técnica é muito boa.

    • Olá, San!

      Obrigada pelo teu comentário! Sim, ele é em partes confuso, mas isso (na minha opinião), não atrapalha a produção, que poderia ser melhorada, obviamente.
      Ótimo você lembrar de “A Volta do Parafuso” aqui! Excelente filme!

      Até a próxima e abraços!

    • Evandro13Sal

      Valeu San Ramo.. a volta do parafuso… quanto tempo não escutava este nome…. tenho que rever e ver se minha memoria ainda está familiarizada com a história.
      valeu e um forte abraço.

  • Ivan_PD

    Ótimo episódio, parabéns!
    Só me incomoda um pouco Dayana ter a palavra spoiler como vício de linguagem. é quase como as pessoas que não conseguem se expressar sem um tá,um né ou um e então.
    Se não quer falar spoiler é simples, é só não falar, ninguém vai perceber que ele não foi falado.
    Tem alguns curtas de Marco Dutra que também valem ser vistos, como O Lençol Branco e Um Ramo, tem eles no Youtube.
    Uma outra dica de filme nacional, além de Trabalhar Cansa, que merece uma resenha aqui é Condado Macabro, é um filme slasher que brinca com os clichês do gênero.
    Rodrigo Aragão merece uma cinebiografia por aqui, são muito bons os filmes dele, mesmo sendo feito com poucos recursos e atores amadores a direção e roteiro seguram além das expectativas.
    Abraços e até Sexta meia noite

    • Evandro13Sal

      Obrigado pelas críticas e pelas dicas. E claro, obrigado por nos dá suas impressões.
      Vamos anotar e dá uma boa conferida. Até uma sexta meia noite.

      • Ivan_PD

        Evandro, meu caro, deixe me dizer que sua ausência em qualquer episódio é a “voz da sabedoria” que deixa de ser ouvida.
        🙂

        • Evandro13Sal

          Obrigado pelo afeto, infelizmente estou afastado, tentando participar quando puder de alguns programas.. creio que em breve a equipe estará completa novamente.

    • Marlon Master

      Com certeza! Rodrigo Aragão merece muito aparecer por aqui, com suas fábulas negras, já estamos trabalhando nisso meu amigo. E vlw pelas dicas dos curtas, excelente.

      • Ivan_PD

        Torço por vocês, Marlon, vai que vocês conseguem uma entrevista com esse rapaz?
        Espero que sejam bem sucedidos.

    • Olá, Ivan!

      Provavelmente falaremos sobre Rodrigo Aragão sim! E comentamos nesse programa sobre “Trabalhar Cansa”, que merece também um programa próprio. Um dia o faremos!

      Sobre tua crítica à minha fala: bem…ela é infelizmente, inválida. Em 1 hora e 12 minutos de programa eu falei a palavra “spoiler” duas vezes. Ou seja, não pode ser caracterizado como vício de linguagem. E sim, quando eu achar necessário, usarei o termo.

      Obrigada pelo teu comentário e também sugestões!
      Forte abraço!

      • Ivan_PD

        O vício de linguagem foi exagero de minha parte para apontar que você é a pessoa no podcast que usa a expressão de forma mais recorrente
        E claro que você pode usar à vontade, quem sou eu para dizer que não, mas se o objetivo de criticar é tentar ajudar a melhorar o programa, apontei o que me incomoda, mas para outros milhares de ouvintes pode até ser divertido.
        Aliás do programa inteiro esse foi o único apontamento negativo que tive para fazer o restante seriam elogios redundantes

        • Dayana Sartório

          Hum! Você se referia a todos os programas e não somente a esse. Correto! Prestarei mais atenção quanto ao uso do termo.

          Sobre criticar, não há dúvida da importância de um apontamento como esse. Eu mesmo o faço seja em filmes, com pessoas ou em programas. Porém, sempre uso de educação, outra ferramenta muito importante no diálogo, seja ele escrito ou falado. Pois a interpretação pode ser dúbia.

          Até breve, Ivan!

          • Ivan_PD

            Como diria Doutor Gori:
            ” Não se ensinam coisas novas a um macaco velho.
            O mau é sempre lembrado, o bem é tão difícil de ser reconhecido”

  • Ivan_PD

    Nem terminei de ouvir o episódio, mas já posso afirmar de cara que “Trabalhar cansa” é muito melhor do que “Quando eu era vivo”.
    Ele é que realmente merece um Sextacast.
    Torço para que já tenham assistido e escolham e o escolham para um próximo episódio.

Siga-nos

Você pode acompanhar o sextameianoite.com nos perfis sociais abaixo:

Populares

Os Mais Comentados

Ver ícones
Sair
/* ]]> */